segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Terapias naturais no tratamento do ressecamento vaginal

Ressecamento vaginal é um dos problemas que boa parte das mulheres, principalmente na fase da menopausa e pós menopausa, sofrem. No entanto mulheres mais novas também podem sofrer com este incômodo.

Este ressecamento normalmente ocorre devido a redução do hormônio estrogênio. Este hormônio é responsável por manter os tecidos da vagina lubrificados e saudáveis. Com sua diminuição ocorre o afinamento da mucosa interna da vagina, responsável pela textura macia e elasticidade vaginal.

Os sintomas mais comuns decorrentes do ressecamento são: irritação e coceira vaginal, maior suscetibilidade a infecções (devido à mudança de pH), diminuição da excitação/lubrificação e dor durante as relações sexuais.

As causas, excluindo condições médicas mais graves como tumores de ovários e útero, abrangem:

  • menopausa
  • distúrbios hormonais não tratados
  • gestação: durante os primeiros meses a gestante pode sofrer com esta condição devido as bruscas alterações hormonais
  • aleitamento materno: durante este período também é comum a mulher sofrer com ressecamento vaginal devido a oscilação de estrogênio
  • infecções vaginais
  • higiene intima excessiva
  • uso de sabonetes ou produtos íntimos com corantes e aromas artificiais
  • fazer uso de medicamentos como vasoconstritores, antidepressivo, anti-histamínico, enfim...qualquer medicamento que na bula tenha como possíveis reações ressecamento da mucosa bucal também pode ressecar a mucosa vaginal
  • estresse
Tudo isso abala psicologicamente a mulher, ela passa a se sentir vulnerável, incapaz e leva ao sentimento de culpa, medo de ser rejeitada, pode até afetar a relação entre os casais devido a baixa libido e dores na penetração. 

Formas de Tratamento Convencionais:

As formas mais comuns na medicina alopática são o uso de lubrificantes e umidificantes vaginais,
que não precisam de prescrição médica, e a reposição hormonal de estrogênio (com prescrição médica) sob a forma de pílulas, cremes e supositórios.

Dentre os lubrificantes são preferíveis os a base de água, os que são a base de vaselina ou óleo podem irritar ainda mais a mucosa. Alguns ainda possuem em sua composição ácido hialurônico e glicerol que além de lubrificar reidratam a mucosa e tem duração mais longa.

Formas de Tratamento Naturais: Aromaterapia

Dentro da aromaterapia existem óleos essenciais que possuem propriedades fitoestrogênica, ou seja, são compostos químicos que molecularmente assemelham-se ao hormônio estrogênio e se ligam ao seu receptor (a famosa chave-fechadura) desencadeando assim o estímulo necessário para regular os desequilíbrios hormonais. Neste sentido, os óleos essenciais agem para reduzir a irritação e a inflamação e melhorar a lubrificação vaginal, diminuindo a dor durante as relações sexuais.

No entanto, na Aromaterapia os óleos essenciais não devem ser utilizados puros, principalmente nas mucosas, que são tecidos muito sensíveis. Para isso faz-se necessário utilizar óleos vegetais, que irão diluir os óleos essenciais e funcionar como veículo carreador. Mas, os óleos vegetais também possuem propriedades terapêuticas e por isso escolhe-los adequadamente é igualmente importante.

Óleos Vegetais a considerar:


  • Calêndula (Calendula officinalis): este óleo é calmante dos tecidos, muito utilizado para curar ferimentos, tem ação anti-microbiana prevenindo assim as infeções e é anti-inflamatório.


  • Confrei -  raiz ou folha (Symphytum oficinale): é um óleo muito hidratante (umedecedor), curativo e calmante dos tecidos inflamados. Ele também tem ótima ação emoliente devido seu teor de mucilagem (polissacarídeo complexo presente nas células vegetais com função de reter água e aumentar o volume, formando uma substância viscosa protetora)


  • Trevo vermelho (Trifolium pratense): também chamado de trevo-dos-prados, trevo-roxo, trevo-comum. O óleo macerado das flores é rico em isoflavonas, flavonóides, cumarinas, óleos essenciais, saponinas. Das isoflavonas as principais e mais importantes são: biochanina A, formononetina, genisteina e daidzeina, estas funcionam como hormônios fitoestrogênicos. É muito utilizado para tratar sintomas da menopausa, ressecamento e atrofia da mucosa vaginal e problemas dermatológicos como eczema e psoríase. Não deve ser utilizado concomitantemente com pilulas de reposição hormonal.


  • Hipérico/ Erva-de-São-João (Hypericum perforatum): é um óleo com propriedades antisséptica, bactericida, adstringente, cicatrizante, calmante e sedativa. Utilizado para tratar ferimentos leves. As flores são utilizadas em forma de capsulas, comprimidos ou infusões para tratar estados de ansiedade e depressão leve a moderada. Para utilizar esta erva sob a forma de fitoterápico (prescrição de cápsula ou infusão) procurar um profissional qualificado.


  • Yam Mexicano (Dioscorea villosa): também chamado inhame-selvagem, tem propriedades anti-inflamatória, colagogo, afrodisíaco. Este óleo contém a diosgenina que é considerado um fito-hormônio precursor da progesterona e por isso é muito empregado para tratar os sintomas da menopausa, cólicas menstruais, dores pós parto, infertilidade. A parte medicinal se concentra na raiz e rizoma da planta. 


  • Coco (Cocos nucífera): este óleo é extraído da polpa do coco fresco maduro por prensagem a frio e não passa pelos processos de refinamento e desodorização. Ele é rico em ácido caprílico, mirístico e laúrico. O ácido caprílico é um ácido graxo presente em sua forma natural no coco e no leite materno. Tem função antifúngica e anti-infecciosa, bastante empregado para tratar candidíase. O óleo de coco nutre os tecidos e é umectante. Ele mantém a umidade da pele e mucosas e também trata irritações e inflamações. Fortalece o sistema imunológico.

  • Gérmen de trigo (Triticum vulgare): extraído por prensagem a frio do germe do trigo. O germe é a parte mais nobre do grão de trigo, é onde a nova planta começa a brotar, é onde se concentra a maior quantidade de energia vital. Este óleo é rico e vitaminas A, D, E, B1, B2, B3 e B6 além de ácidos graxos essenciais, proteínas e minerais. Ele tem excelente ação antioxidante e regenerativa. É aplicado para tratar irritações da pele, rachaduras e assaduras. Ele aumenta a oxigenação das células  por ser vasodilatador. Devido seu teor de vitamina E, ele é bastante indicado para tratar infertilidade.



Óleos Essenciais a considerar:

  • Camomila Romana (Chamaemelum nobile): este óleo é destilado a partir das flores, tem coloração amarelo pálido e aroma adocicado lembrando maçã quente. Composto principalmente de esteres (<80%) tem ação calmante e anti-inflamatória, sendo muito empregado para cuidar de coceiras, irritações e reações alérgicas. Também tem ação anti-microbiana.

  • Olíbano (Boswellia carteri): também chamado de frankincense o óleo essencial é extraído da resina obtida por pequenos cortes na casca da árvore. Tem coloração amarelada e um aroma que lembra "igreja".Composto por 40% de monoterpenos, tem propriedades calmantes para as mucosas. Era muito empregado pelos egípcios para tratamentos de beleza através de máscaras faciais de rejuvenescimento. É um óleo anti-inflamatório, revitalizante e antioxidante. Ótimo para tratar cistite e problemas respiratórios.

  • Immortelle (Helichrysum angustifolium): o óleo essencial é extraído dos botões de flores e das flores, tem coloração âmbar com aroma doce, suave e quente com tons verdes. Composto em sua maior parte de álcoois e esteres (>50%) tem propriedades mucolítica, anticoagulante, calmante, relaxante. É utilizado para tratar rinites, bronquites asmáticas e tosse espasmódica. Estimulante hepático, diminui enxaquecas, melhora o sistema imunológico, combate hematomas internos e externos, ferimentos e inflamações. Além disso tudo é um óleo que resgata a intuição e promove conexão e cura espiritual.

  • Lavanda (Lavandula angustifolia): óleo essencial curinga da aromaterapia, é extraído das flores no ápice da floração. Seu óleo tem coloração pálida com aroma floral, doce e fresco. Tem como principais constituintes químicos os álcoois e esteres (<55%). Suas propriedades são calmante, relaxante, sedativa, cicatrizante, regeneradora e antisséptico. Utilizado para muitos fins dentro da aromaterapia, é muito útil em alergias, lesões teciduais, queimaduras, irritações. É um óleo que ajuda a promover a emoliência necessária em tecidos mais ressecados.

  • Neroli (Citrus aurantium var. amara flos): extraído por destilação ou por solvente das flores da laranjeira amarga, é um óleo de coloração amarelo pálido e aroma doce, floral, fresco e cítrico. Seus constituintes químicos majoritários são álcoois (40%), terpenos (35%) e esteres (7 - 20%). Tem como principais funções ser calmante, ansiolítico e regenerador. É um óleo essencial caro e bastante adulterado no mercado.

  • Sândalo Australiano (Santalum spicatum): este óleo é extraído das raízes e do cerne da árvore. Na Austrália existem 5 espécies de sândalo, no entanto apenas 2 são comercialmente importantes: Santalum spicatum e Santalum lanceolatum. O incentivo comercial destas espécies se deu pelo fato de o Sândalo Missoure (Santalum album) estar ameaçado de extinção e ser um óleo muito caro.  Os principais constituintes químicos do óleo essencial de sândalo australiano são os álcoois: A- santalol, B-santalol, A-bisalobol, trans-A-bergamotol (65-90%). Estudos demonstram que este óleo essencial é quimicamente semelhante ao Sândalo Mysore - Indiano (Santalum album), não devendo em nada terapeuticamente e aromaticamente para o mesmo. Suas propriedades terapêuticas são: antisséptico, afrodisíaco, bactericida, emoliente, fungicida, tônico entre outras.  O óleo apresenta coloração amarela e aroma amadeirado, balsâmico e doce.

  • Rosa (Rosa damascena): extraído por destilação das pétalas (também pode ser extraído por solvente originando o absoluto de rosas). É um óleo essencial caro devido a enorme quantidade de pétalas necessárias para se obter 1 única gota do óleo puro. Te coloração amarelo pálido e aroma floral adocicado e levemente picante. Os principais constituintes químicos são os álcoois (25%) e monoterpenos (25%).  Terapeuticamente este óleo age como cicatrizante, anti-inflamatório, antisséptico, bactericida, fungicida, antiviral, adstringente, afrodisíaco, sedativo, desinfetante, colagogo.  Bastante empregado para tratar depressão, problemas de pele, desequilíbrios hormonais femininos.

Receitas Naturais com Óleos Vegetais e Óleos Essenciais

Pomada Lubrificante I


  • 1/4 de xícara de óleo vegetal de calêndula
  • 1/8 de xícara de óleo vegetal de hipérico
  • 1/8 de xícara de óleo vegetal de confrei
  • 14 gramas de cera de abelha ou de candelila
  • 10 gotas de óleo essencial de olibano
  • 7 gotas de óleo essencial de lavanda
  • 5 gotas de óleo essencial de camomila romana

Pomada Lubrificante II

  • 1/4 de xícara de óleo vegetal de calêndula
  • 1/4 de xícara de óleo vegetal de coco
  • 14 gramas de cera de abelha ou de candelila
  • 10 gotas de óleo essencial de sândalo australiano
  • 12 gotas de óleo essencial de immortelle
  • 3 gotas de óleo essencial de rosa

Preparo:

Em uma panela de banho-maria, derreta a cera de abelha. Em seguida acrescente os óleos vegetais, misturando bem para ficar homogêneo. Retire do bano-maria. Adicione os óleos essenciais e misture bem. Coloque a pomada em potinhos limpos e previamente esterilizados**. Tampe bem, coloque a etiqueta. 
Esta receita faz aproximadamente 113 gramas. Se bem conservado, devidamente tampado e protegido da luz, esta pomada dura até 2 anos mas, o ideal é utilizá-la em até 8 meses após a data de fabricação.

** Como esterilizar vidros

Escolha um pote de vidro que possua uma tampa que vede bem e lave com água e detergente. Pegue uma panela e forre o fundo com um pano limpo. Coloque o pote de boca para baixo e cubra com água. Deixe ferver por 15 minutos. Quando faltar 5 minutos jogue a tampa para que também seja esterilizada. Deixe esfriar naturalmente para que não quebre. Depois que esfriar um pouco, com uma pinça já esterilizada, retire o pote e a tampa da panela e coloque com a boca para baixo em um outro pano limpo para secar.



Óleo Lubrificante e cicatrizante I


  • 56 ml de óleo vegetal de calêndula
  • 28 ml de óleo vegetal de confrei
  • 28 ml de óleo vegetal de hipérico
  • 14 gotas de óleo essencial de olíbano
  • 6 gotas de óleo essencial de camomila romana
  • 3 gotas de óleo essencial de rosa

Óleo Lubrificante e cicatrizante II

  • 56 ml de óleo vegetal de germen de trigo
  • 28 ml de óleo vegetal de yan mexicano
  • 28 ml de óleo vegetal de trevo vermelho
  • 14 gotas de óleo essencial de lavanda
  • 10 gotas de óleo essencial de immortelle
  • 8 gotas de óleo essencial de sândalo australiano

Preparo:

Colocar todos os óleos vegetais dentro de uma embalagem tipo pump, acrescentar os óleos essenciais, fechar e agitar bem antes de usar.


Supositórios Vaginais Naturais

Geralmente os supositórios naturais são feitos a partir de uma combinação de manteiga de cacau com um óleo vegetal semilíquido como o de coco extra virgem ou coco babaçu ou ainda o óleo de gergelim.  

Os supositórios são indicados para tratar infecções e inflamações vaginais, secura vaginal, fissuras retais e hemorroidas.

 Como fazer:

  • 10 gramas de manteiga de cacau
  • 10 gramas de óleo vegetal de coco/ babaçu ou gergelim

Primeiro passo:

Esterilizar todos os utensílios utilizados para fazer o supositório: copos de medida, colher de pau, recipiente para misturar.

Segundo passo:


Fazer o molde do supositório. Para isso você vai precisar de uma folha de papel alumínio e da colher de pau.
Abra a folha de papel alumínio, coloque o cabo da colher de pau e enrole de 4 a 5 vezes para que fique bem firme.


Retire o cabo do molde, corte o excesso de papel alumínio e dobre uma das extremidades duas vezes, bem dobrado para fechar. Reserve este molde.


Terceiro passo:


Em uma panela de banho-maria, derreta a manteiga de cacau e o óleo vegetal escolhido, mexendo bem para ficar homogêneo. Assim que estiver tudo bem derretido, retire do fogo.
Em seguida acrescente a seguinte sinergia de óleos essenciais e misture bem:
  • 20 gotas de óleo essencial de sândalo australiano
  • 10 gotas de óleo essencial de rosa
Esta é uma excelente sinergia para tratar o ressecamento vaginal.

Quarto passo:

Coloque a mistura dentro do molde do supositório.


Coloque o molde já preenchido dentro de um copo para que ele fique em pé. Leve ao freezer por aproximadamente 1 hora para endurecer.

Quinto passo:

Retire do freezer e desembrulhe os supositórios. Com o auxílio de uma faca esterilizada, corte-os com mais ou menos 2,5 cm.


Sexto passo:

Armazene os supositórios cortados em um recipiente de vidro esterilizado e guarde-o na geladeira.


Posologia

Utilize 1 vez ao dia, preferencialmente ao deitar-se para dormir ou utilize 3 a 4 horas antes de ter relações sexuais.



Fontes:
http://theida.com/aromatic-medicine/aromatherapy-and-vaginal-dryness
http://vivomaissaudavel.com.br/saude-e-beleza/dicionario-da-saude/r/000892/ressecamento-vaginal/
http://www.criasaude.com.br/N10523/doencas/secura-vaginal.html
https://www.aromaceuticals.com/blog/the-mythology-of-sandalwood
https://www.auracacia.com/auracacia/aclearn/features/sandalwood2.html
https://www.mountainroseherbs.com/products/sandalwood-australian-essential-oil/profile

2 comentários:

  1. Adorei Tati!!! Muito bom
    . Copiei as receitinhas ótimas!!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Solange! É para copiar e usar mesmo! Bjos

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...